sábado, 30 de julho de 2011

Etapas do Cuidado de Enfermagem à Criança Hospitalizada

        Os cuidados de Enfermagem a criança hospitalizada seguem passos que garantem a qualidade e a continuidade desses cuidados e sua avaliação por toda a equipe que esteja envolvida no cuidar desse paciente.

A Admissão é o recebimento da criança no hospital. Sua finalidade é favorecer a adaptação da criança e de sua família no hospital e auxiliar no diagnóstico e tratamento cuidando de ambas através de intervenções terapêuticas. O Enfermeiro e o Técnico ou Auxiliar de Enfermagem devem estabelecer um relacionamento  de confiança e afetividade com a criança e sua família, desde a admissão até a alta.

Primeira Etapa: Decidir em que leito a criança irá ficar: essa decisão é tomada antes da admissão da criança na unidade, deve-se preparar o local onde a criança e seu acompanhante irão ficar  durante a internação em quarto e leito de acordo com suas necessidades - por exemplo - rede de oxigênio, ar comprimido, vácuo, cama ou berço, escada de dois degraus, etc. Devemos também utilizar o critério de faixas etárias e patologias similares.

Segunda etapa: Receber a Criança na Unidade, procurando estabelecer um relacionamento de confiança com ela e seus pais. O Enfermeiro, Técnico ou Auxiliar deve se apresentar à criança e a seus pais, mostrar as acomodações para a criança, apresentar a criança e seus pais aos companheiros de enfermagem.

Anamnese de Enfermagem
        O Profissional de Enfermagem deve dar voz à criança e a seus pais, ouvir suas queixas para conhecê-los. Essa é a terceira etapa dos cuidados. Isso irá contribuir com o cuidado de forma holística, respeitando a individualidade de cada um. A Anamnese tem por objetivos:
  • Obter informações necessárias para planejar a assistência de Enfermagem prevemtivo curativa;
  • Identificar e interpretar os sintomas significativos;
  • Reconhecer as prioridades nesse atendimento;
  • Colher dados sobre os diferentes fatores capazes de interferir na saúde desta criança desde a vida intra uterina;
  • Investigar relações entre os membros da família;
Atenção!
        Quando examinamos uma criança, não podemos esperar referências exatas aos sintomas subjetivos, mesmo nos pré escolares e escolares. A dificuldade em exprimir  exatamente suas sensções torna o depoimento da criança precário muitas vezes. Em compensação, as informações fornecidas pelos pais são de valor incalculável, pois proporcionam esclarecimentos decisivos para o diagnóstico clínico e o planejamento da assistência de enfermagem.

Como a Enfermagem realiza uma Boa anamnese?

        Uma boa anamnese requer do profissional:
  • Tato;
  • Habilidade;
  • Paciência;
  • Observação;
  • Sensibilidade;
  • Pensamento crítico fundamentado no cohecimento teórico-prático-científico para interpretar os dados obtidos;
  • Instrumental próprio para o registro e documentação da anamnese , que deve conter os seguintes tópicos:
  1. Identificação geral da criança;
  2. Nome e apelido (que ela gosta de ser chamada);
  3. Data de nascimento;
  4. Nacionalidade e naturalidade;
  5. Filiação;
  6. Procedência;
  7. Endereço;
  8. Enfermaria e leito;
  9. Data e hora da admissão;
  10. Escolaridade (nível de compreensão e avaliação do seu desenvolvimento);
  11. A criança recebe então uma pulseirinha colocada em seu braço que contém: nome, idade, apelido, nome dos pais, enfermaria, leito e data da admissão:

A partir da anamnese obtemos:
  • Uma impressão gerla sobre o acompanhante da criança;
  • Uma impressão gerla sobre a criança;
  • Antecedentes familiares;
  • Antecedentes pessoais;
  • Antecedentes patológicos pessoais;
  • Queixa principal (o que motivou a internação);
  • História da doença atual (no registro, utilizar de preferência as mesmas expressões utilizadas pelo informante/acompanhante _ por exemeplo, "apareceu um caroço na barriga..."
  • Em casos de urgência ou emergência, quando não há tempo pra colher todas essas informações, devemos iniciar pela queixa principal e história da doença atual, abrangendo pouco a pouco os outros itens.

Exame Físico da Criança
Pontos a considerar sobre o Exame Físico:
  1.   O profissional de Enfermagem deve capatr a amizade da criança e solicitar, quando possível sua colaboração _ fazer observações lisonjeiras sobre sua roupa ou aparência ou contar uma história engraçada, oferecer um brinquedo ou objeto que lhe agrade, se possível;
  2. Não falar em tom ríspido e alto, gestos bruscos e rápidos, toque com as mãos frias, pois assustam a criança, provocando reação intensa com choro forte, que só cessará após o término do exame;
  3. Iniciar o exame com a participação dos pais, para melhor entrosamento e esclarecimentos necessários, além de proteger a criança e o profissional de possíveis queixa de ordem moral-legal;
  4. a mãe deve deitar a criança e ir retirando as roupinhas, conforme solicitado;
  5. Iniciar o exame com a criança em pé ou sentada, ou ainda no colo da mãe; só deitá-la mais tarde, quando já estiver mais ambientada - o decúbito aumenta a sensação de insegurança








     

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cursos Iped todas as áreas